Filtrar
Sodexo Club

Aproveite as festas sem peso na consciência

01/12/20 11:07

Durante as celebrações de Natal e Ano Novo, o conselho é ter equilíbrio na alimentação

 

Tenha cuidado com a alimentação nas férias

As festas de final de ano chegaram – e, com elas, os exageros gastronômicos do Natal e do Ano Novo. O que fazer nesse período? Comer tudo que puder ou se esforçar para permanecer na dieta mesmo diante da farta oferta de delícias? Tanto a rigidez para comer pouco como o sofrimento por ter exagerado na comida podem gerar sentimentos negativos, como culpa alimentar e arrependimento.

Para Fernanda Timerman, nutricionista clínica de mudança de comportamento alimentar, é comum sentir culpa quando descumprimos critérios estabelecidos por nós mesmos, despertando a sensação de fracasso e falta de controle. “Essa mentalidade pode se acentuar no final do ano por causa das comemorações e viagens de verão, quando expomos mais o corpo. Ainda assim, é algo já presente na vida de muita gente o ano inteiro”, conta.

Soraia Batista, nutricionista da Sodexo, concorda que o perigo dessa época do ano é o grande número de confraternizações. “É preciso um equilíbrio entre o exagero e a limitação”, afirma ela. “Se a pessoa tem o hábito de tentar sempre fazer dieta, no final de ano ela pode inconscientemente acabar descontando toda a vontade de comer de uma só vez, levando ao exagero e ao sentimento de culpa”.

Para aproveitar as festas de fim de ano com tranquilidade, sem culpa na mesa, as especialistas dão algumas recomendações:

NÃO MUDE A ROTINA ALIMENTAR

É importante continuar fazendo todas as refeições normalmente. Fernanda explica que pular o café da manhã ou almoço no dia da festa para compensar as calorias não é uma boa ideia. “Não é nos 45 minutos do segundo tempo que a pessoa vai conseguir emagrecer, substituindo uma refeição pela outra”, aponta ela. Soraia afirma que, por isso, é muito importante ter uma alimentação equilibrada e um estilo de vida saudável ao longo do ano todo. “Assim, pode-se comer de tudo com consciência e não se sentir culpado nas festas de final de ano.”

FAÇA ESCOLHAS INTELIGENTES NA HORA DE MONTAR O SEU PRATO

Para aproveitar as comemorações de forma saudável, é importante escolher bem o que comer. Observe as opções e escolha o que mais o agrada. Uma saída é experimentar cada coisa em pequenas quantidades e repetir apenas o que mais gostar. Se mesmo assim ficar com vontade de comer mais um pouco, uma ideia é separar um pratinho para comer no dia seguinte.

NÃO SE SINTA PRESSIONADO A COMER, MAS NÃO PASSE VONTADE

É importante respeitar os seus limites e comer o suficiente para saciar a fome. O mesmo vale para quem fica com receio de ganhar peso: coma na quantidade que está acostumado. Se exagerar um pouco, lembre que uma refeição não vai impactar uma rotina equilibrada.

PRATIQUE A SOLIDARIEDADE E COMPARTILHE A FARTURA

Neste ano, em razão da pandemia, as comemorações tendem a ter menos pessoas, o que, entre outros cuidados, ajuda a evitar a disseminação do coronavírus. Mesmo assim, se sobrar muita comida nesses encontros, uma boa ideia é fazer um pratinho para os convidados levarem para casa e, também, separar marmitas para o zelador e outros funcionários do seu prédio e, até mesmo, entre os vizinhos. Assim você evita o desperdício e ainda pratica a solidariedade.

FAÇA DO CUIDADO COM A SAÚDE SUA META PARA 2021

Se você sente culpa alimentar ou outros sentimentos negativos em relação à comida, é hora de colocar a sua saúde como meta para 2021. As dicas para aproveitar a ceia podem ajudar, mas para quem sofre com compulsão ou falta de apetite precisa buscar ajuda profissional, como a nutrição comportamental.

Cuide da sua relação com a comida

Fernanda  aponta que a postura de associar a alimentação sempre com recompensa ou culpa, consideradas normais até mesmo na mídia e nas redes sociais, na verdade pode ser sinal de uma relação doentia com a comida. “Quem enfrenta este tipo de problema pode buscar a nutrição comportamental como tratamento.”

Segundo ela, esta é uma abordagem que vai além do aspecto biológico e leva em conta também a parte emocional e social da alimentação. Com o acompanhamento do especialista, o paciente pode entender melhor a sua relação com a comida, identificando as causas por trás do excesso ou falta de apetite, explica. 

Para a nutricionista da Sodexo, a chamada “fome emocional” é insaciável. “A pessoa come até se sentir totalmente cheia”, explica Soraia. “Isso acontece numa tentativa de esconder algum sentimento ruim ou mal-estar, para ter um alívio por meio da comida – muitas vezes o desejo é por fast food, doces, enfim, alimentos calóricos e pouco nutritivos.”

logo-draft.png O artigo é resultado uma parceria da Sodexo com o Projeto Draft.

Conheça mais.

 

Leia também:

Natal na pandemia - dicas para uma comemoração segura

Segredos para ser saudável durante toda a vida

Ensine as crianças a comer bem desde cedo