Filtrar
Diversidade, Equidade e Inclusão

21 de março: Dia Internacional pelo fim da Discriminação Racial

18/03/22 11:56

A data nos lembra que o racismo deixa mulheres negras mais vulneráveis

 

Mulheres negras valorizadas e respeitadas

 

21 de março é o Dia Internacional pelo fim da Discriminação Racial. A data, que coincide com o mês em que celebramos o Dia Internacional das Mulheres, nos lembra que o combate ao preconceito de gênero não pode acontecer sem que também se combata o racismo. 

“Quando uma mulher negra se movimento, toda a estrutura da sociedade se movimenta com ela”
Angela Davis, filósofa, escritora, professora e ativista norte-americana. 

Neste dia internacional contra a discriminação racial, a frase de Davis reforça: quando a vida das mulheres negras melhora, a sociedade - como um todo - também cresce. Isso porque além de enfrentar as questões de gênero, as mulheres negras sofrem racismo. 

Discriminação racial é um assunto sério! No Brasil, as mulheres negras representam 27,8% da população. Elas também ocupam metade das vagas do mercado informal, são as principais vítimas de homicídio no país e estão mais em situação de pobreza do que mulheres brancas.

A desigualdade, aliada ao racismo, deixa as mulheres negras mais vulneráveis - por isso, não dá para combater o preconceito de gênero sem combater também o de cor. Para nos tornamos aliados nessa luta, trazemos quatro abordagens possíveis em situações que nas quais nos deparamos com a discriminação: 

1 - Aborde diretamente 

Não apenas no dia internacional contra a discriminação racial, mas sempre, questione a pessoa que fez o comentário, ou que teve uma atitude agressiva. Uma boa pedida é perguntar o que levou àquela ação ou, no caso de piadas, questionar por qual motivo a pessoa pensa que aquela fala é engraçada.

2 - Mude o foco

Se alguém gerar uma situação desconfortável, você pode mudar o foco. Por exemplo, se alguém diz que uma mulher precisa fazer uma atividade específica, por ser uma mulher, voluntarie-se e faça você mesmo. 

3 - Procure ajuda

Se sentir que não consegue intervir diretamente na situação, busque ajuda de um(a) superior(a) hierárquico, de um segurança no local, ou outras pessoas que possam dar o apoio necessário. Discriminação e racismo devem ser combatidos sempre!

4 - Aja depois também

É importante verificar como a pessoa que foi alvo da situação está se sentindo e se precisa de ajuda - seja para fazer uma queixa formal, ou se precisa apenas de apoio. 

É preciso lutar contra qualquer forma de discriminação que dificulte o avanço das mulheres - assim, garantimos que todas avancem juntas!