Filtrar
Gestão de Pessoas

Modernize sua empresa: saiba mais sobre a contratação de profissionais remotos

18/06/20 18:15

Conheça os benefícios da contratação de profissionais remotos e veja dicas para realizar o procedimento

 

Como contratar profissionais para trabalho remoto

 

A pandemia do novo coronavírus transformou radicalmente a sociedade. Em alguns aspectos, as mudanças serão irreversíveis. O home office é um deles. Para cumprir as medidas de isolamento, milhões de trabalhadores em todo o Brasil tiveram que adotar o trabalho remoto.

 

É claro que nem todas as atividades são compatíveis com essa modalidade de trabalho, mas em muitos setores as mudanças vieram para ficar. Grandes empresas já anunciaram planos de ampliar o home office mesmo após o fim da pandemia – e, por isso, precisam ficar atentas às regras e medidas para a contratação de profissionais remotos.

 

Vantagens do trabalho remoto para as empresas

 

O principal benefício da contratação de profissionais remotos para as empresas é a economia com as instalações físicas, já que cada funcionário trabalha de sua própria casa, podendo a empresa reduzir seu aluguel.

 

Outro ponto positivo é o melhor aproveitamento do tempo. Nas grandes cidades, os períodos de deslocamento para ida e volta do trabalho podem levar horas, gerando estresse, desmotivação do funcionário, queda de produtividade e perda de tempo.

 

Além disso, contrariando as expectativas dos mais conservadores, o trabalho remoto aumentou a produtividade das pessoas. As reuniões são mais curtas e objetivas, os funcionários se sentem, em geral, mais confortáveis e poupa-se o tempo que antes era destinado aos cafezinhos, por exemplo.

 

Diante desse cenário, maximizado pela pandemia, a contratação de profissionais remotos é uma oportunidade de modernização para as empresas. Se já era uma tendência mundial, a expectativa é que o home office se consolide ainda mais no pós-coronavírus.

 

Como fazer a contratação de profissionais remotos?

 

 

Contratar um funcionário remoto também é bem mais fácil do que parece. O primeiro ponto de atenção deve ser a legislação trabalhista, já que o home office pode configurar um vínculo empregatício como qualquer outro.

 

A empresa pode optar por proporcionar os mesmos benefícios do trabalho presencial, como vale-refeição, vale-alimentação e convênio médico, com o objetivo de fidelizar e motivar o profissional.

 

Outras circunstâncias também precisam ficar bem claras no contrato de trabalho. Um exemplo é o uso de equipamentos: serão fornecidos pela empresa ou no modelo BYOD (traga seu próprio equipamento, na sigla em inglês). Os dois modelos são possíveis e a melhor opção varia de acordo com o perfil da empresa.

 

A segurança da informação também é fundamental, já que o trabalhador remoto pode ter acesso a dados sigilosos da empresa.

 

Levando esses aspectos em consideração, as vagas podem ser divulgadas em redes sociais, como o LinkedIn, e até em empresas especializadas nesse modelo de trabalho. E nada impede que o processo seletivo aconteça também de forma remota. Entrevistas, testes e reuniões podem ser feitos por meio de programas e aplicativos de videoconferência.

 

Saiba mais

 

Como garantir sua segurança digital no home office

Trabalho remoto – uma tendência mundial