Filtrar
Gestão de Pessoas

Um empurrãozinho para aumentar o engajamento

10/05/19 17:22

Conheça a “teoria do empurrão”, que pode trazer mais motivação e satisfação para seus colaboradores

 

Um pequeno empurrão pode impulsionar sua equipe  

 

Ainda há quem veja a área de Recursos Humanos com uma função administrativa. No entanto, a equipe de RH tem uma atuação muito mais ampla e trabalha para manter o engajamento, o bem-estar e o desempenho dos funcionários; apoiando-os em seu desenvolvimento pessoal e profissional e, ainda, trazendo os feedbacks das equipes para contribuir na evolução da cultura da empresa. 

Para atender essas metas, as empresas buscam metodologias em gestão de recursos humanos e uma delas é a “teoria do empurrão”. Criada pelos autores Richard Thaler e Cass Sunstein no livro Nudge: Improving Decisions About Health, Wealth and Happiness. “Somente 10% das decisões humanas se baseiam em avaliações racionais do que acontece”, diz Sille Krukow, fundadora da Krukow, consultoria que trabalha o conceito da teoria do empurrão para uma mudança comportamental. “A mudança comportamental verdadeira requer uma grande quantidade de energia, uma vez que 90% de qualquer tomada de decisão é feita por um sistema subconsciente ou automático”. É importante um treinamento de RH na equipe, para que se alinhem às mudanças comportamentais da nova geração.

Um bom exemplo para explicar isso é o cinto de segurança do seu carro. Nós fomos ensinados, por meio de campanhas de segurança ou sermões dos nossos pais, que prender o cinto nos mantém seguros. Mesmo assim, há que se esqueça deles às vezes. No entanto, a luz piscando no painel do carro com o aviso de atar o cinto funciona como um pequeno alerta (ou um empurrãozinho) que nos direciona para um comportamento mais seguro.

Falando de gestão de recursos humanos, no ambiente de trabalho os empurrõezinhos estão sendo utilizados para reduzir o número de faltas, aumentar a produtividade, priorizar o bem-estar, fazer com que a equipe se comunique com mais eficiência. Resumindo, para criar um ambiente que conduza ao sucesso, tanto para os indivíduos quanto para a empresa em que trabalham. 

Em direção a uma verdadeira mudança comportamental 

“É comum as empresas promoverem encontros anuais para aumentar a motivação, comunicar a visão da empresa e o modo como os funcionários devem se comportar. O objetivo é promover mudanças comportamentais”, diz Krukow. “Isso pode até acontecer na primeira semana, mas a longo prazo é preciso agir de modo diferente”. 

É aqui que entram os tais empurrões. Em primeiro lugar, as empresas devem identificar questões específicas para trabalhar. Depois, para criar um ambiente que influencie uma melhor tomada de decisão por parte dos funcionários, os profissionais de RH precisam ter conhecimento das experiências diárias de sua equipe e de como as decisões são tomadas. Fazer constantemente treinamento de desenvolvimento de recursos humanos ajuda nessa tarefa. Com isso, os gestores podem identificar e, então, eliminar as barreiras (físicas, sociais e psicológicas) que ficam no caminho da mudança comportamental. 

Colhendo os benefícios do empurrão

Atualmente, as empresas têm cada vez mais relacionado funcionários satisfeitos e saudáveis com maior produtividade, mais engajamento e menos faltas. Os empurrõezinhos são mais simples do que parecem. O Google, por exemplo, reportou que reduziu em 3 milhões a quantidade de calorias ingeridas por seus colaboradores ao colocar alimentos saudáveis em um local mais visível e acessível na área de alimentação das equipes. 

Influenciar o bem-estar financeiro não é diferente. Os empregadores podem oferecer opções de benefícios que os próprios colaboradores ativam quando precisam ou enviar e-mails ou mensagens para lembrar os funcionários de economizarem parte de seu salário para um projeto pessoal. 

Os empurrões também podem ser usados para fazer com que os funcionários embarquem em iniciativas que beneficiam os resultados financeiros. Por exemplo, quando a Virgin Atlantic precisou reduzir despesas com combustível, a empresa disse aos condutores que eles seriam parte de um estudo sobre o consumo; uma tática de empurrão que reduziu as emissões de carbono em mais ou menos 20 mil toneladas.  A técnica do empurrão pode reforçar as revisões anuais de desempenho. Estudos de caso mostram que empurrões regulares anuais motivam os funcionários e mantém os alvos de desempenho-chave sempre em mente. Uma gestão de recursos humanos bem feita garante esses resultados.

Já existem aplicativos que integram os empurrões a plataformas de campanhas de incentivo para provocar uma competição amigável entre os funcionários. Com um sistema de pontos usando medalhas e um placar, as empresas podem criar desafios entre equipes ou até mesmo entre as regiões e países. Recompensar indivíduos por alcançar metas de curto prazo, por participar em pesquisas ou, simplesmente, por ler um conteúdo educacional contribui para mudar comportamentos e alcançar os objetivos da empresa.

Assim, se a meta for ter funcionários mais saudáveis, diminuir o número de faltas, aumentar o engajamento ou aumentar a produtividade, os profissionais de RH podem estimular uma mudança real dentro de suas organizações, focando a atenção e os recursos nesses tipos de empurrões sutis que colocam os funcionários na direção correta.


Leia mais: 

Criando valores em que todos acreditam

O poder do elogio